Edií§í£o nº 178 – Quando os anjos falam

Quando os anjos falam

Ninguém é corajoso todo tempo. O desconhecido é um desafio constante, e o medo faz parte da jornada.

O que fazer? Converse consigo mesmo. Fale sozinho. Converse com vocíª, mesmo que os outros achem que vocíª ficou louco. í€ medida que falamos, uma forí§a interior nos dá seguraní§a para superar os obstáculos que precisam ser vencidos. Aprendemos as lií§íµes das derrotas que – inevitavelmente – vamos sofrer. E nos preparamos para as muitas vitórias que farí£o parte de nossa vida.

E aqui entre nós, aqueles que tíªm este hábito (entre os quais me incluo) sabem que jamais estí£o falando sozinhos; o anjo da guarda está ali, escutando e nos ajudando a refletir. A seguir, algumas histórias sobre anjos.

A conversa no céu

Abd Mubarak ia até Meca, quando sonhou certa noite que estava no céu. Ali, pode escutar dois anjos conversando.

“Quantos peregrinos vieram este ano í  cidade sagrada?” Pergun­tou um deles.

“Seiscentos mil”, respondeu o outro.

“E, destes todos, quantos tiveram sua peregrinaí§í£o aceita?”

“Nenhum. Entretanto, existe em Bagdad um sapateiro chamado Ali Mufiq, que ní£o efetuou a caminhada; mas sua peregrinaí§í£o foi aceita, e suas graí§as beneficiaram os 600 mil peregrinos”.

Quando acordou, Abd Mubarak foi até a sapataria de Mufiq, e lhe contou o sonho.

“A custa de grandes sacrifí­cios, terminei juntando 350 moedas”, disse, chorando, o sapateiro. “Entretanto, quando estava pronto para seguir até Meca, descobri que meus vizinhos tinham fome. Distribuí­ o dinheiro entre eles, sacrificando minha pere­grinaí§í£o”.

O mendigo e o monge

Um monge meditava no deserto, quando um mendigo se aproximou:

“Preciso comer”.

O monge – que estava quase em sintonia perfeita com o mundo espiritual – ní£o respondeu nada.

“Preciso comer”, insistiu o mendigo.

“Vá até a cidade e peí§a aos outros. Ní£o víª que me atrapalha? Estou tentando comunicar-me com os anjos”.

“Deus se colocou debaixo do homem, lavou seus pés, deu sua vida, e ninguém o reconheceu”, respondeu o mendigo. “Aquele que diz amar a Deus – que ní£o víª – e esquece o seu irmí£o – que víª – está mentindo”.

E o mendigo transformou-se num anjo.

“Que pena, vocíª quase conseguiu”, comentou antes de partir.

Condenando o irmí£o

O abade Isaac de Tebas estava no pátio do mosteiro rezando, quando viu um dos monges cometer um pecado. Furioso, interrompeu sua oraí§í£o, e condenou o pecador.

Naquela noite, foi impedido de voltar a sua cela por um anjo, que lhe disse: “vocíª condenou seu irmí£o, mas ní£o disse que casti­go devemos aplicar: as penas do inferno? Uma doení§a terrí­vel ainda nesta vida? Alguns tormentos em sua famí­lia?”

Isaac ajoelhou-se e pediu perdí£o: “atirei as palavras no ar, e um anjo escutou-as. Eu pequei por falta de responsabili­dade com o que digo. Esquece minha ira, Senhor, e me faz ter mais cuidado ao julgar o meu próximo”.