Edií§í£o nº 196 – O guerreiro da luz e seu temperamento

O guerreiro da luz se permite viver um dia diferente do outro. Ele ní£o tem medo de chorar mágoas antigas ou alegrar-se com novas descobertas. Quando sente que chegou a hora, larga tudo e parte para sua aventura tí£o sonhada. Quando entende que está no limite de sua resistíªncia, sai do combate, sem culpar-se por ter feito uma ou duas loucuras inesperadas.

A história a seguir ilustra o que quero dizer.

Um homem em busca da santidade resolveu subir uma alta montanha levando apenas a roupa do corpo, e ali permanecer meditando o resto de sua vida.

Logo percebeu que uma roupa ní£o era suficiente, porque ficava suja muito rápida. Desceu a montanha, foi até a aldeia mais próxima, e pediu outras vestimentas. Como todos sabiam que o homem estava em busca de santidade, entregaram-lhe um novo par de calí§as e uma camisa.

O homem agradeceu e tornou a subir até a ermida que estava construindo no alto do monte. Passava a noite fazendo as paredes, os dias entregue í  meditaí§í£o, comia os frutos das árvores, e bebia a água de uma nascente próxima.

Um míªs depois, descobriu que um rato costumava roer a roupa extra que deixava para secar. Como queria estar concentrado apenas em seu dever espiritual, desceu de novo até o vilarejo, e pediu que lhe arranjassem um gato.

Os moradores, respeitando sua busca, atenderam o pedido.

Mais sete dias, e gato estava quase morto de inanií§í£o, porque ní£o conseguia alimentar-se de frutas, e ní£o havia mais ratos no local. Voltou í  aldeia em busca de leite; como os camponeses sabiam que ní£o era para ele – que, afinal de contas, resistia sem comer nada além do que a natureza lhe oferecia, mais uma vez o ajudaram.

O gato acabou rapidamente com o leite, de modo que o homem pediu que lhe emprestassem uma vaca.

Como a vaca dava mais leite que o suficiente, ele passou a bebíª-lo também, para ní£o desperdií§ar. Em pouco tempo – respirando o ar da montanha, comendo frutas, meditando, bebendo leite, e fazendo exercí­cio – transformou-se em um modelo de beleza. Uma bela moí§a que subira a montanha para procurar um cordeiro, terminou se apaixonando, e convenceu-o que precisava de uma esposa para cuidar das tarefas da casa, enquanto meditava em paz.

O homem ficou tríªs dias em jejum, procurando saber qual a melhor decisí£o a tomar. Finalmente, entendeu que o casamento é uma bení§í£o dos céus, e aceitou a proposta.

Tríªs anos depois, o homem estava casado, com dois filhos, tríªs vacas, um pomar de árvores frutí­feras, e dirigia um lugar de meditaí§í£o, com uma gigantesca lista de espera de gente que queria conhecer o milagroso “templo da eterna juventude”.

Quando alguém lhe perguntava como havia comeí§ado tudo aquilo, ele dizia:

– Duas semanas depois que cheguei aqui, tinha apenas duas peí§as de roupa. Um rato comeí§ou a roer uma delas, e…

Mas ninguém se interessava pelo final da história; tinham certeza que era um sagaz homem de negócios, tentando inventar uma lenda para poder aumentar ainda mais o preí§o da estadia no templo.

Mas como um bom guerreiro da luz, ele ní£o se importava com o que pensavam os outros; estava contente porque foi capaz de transformar seus sonhos em realidade.