Viajando de maneira diferente

POST IN ENGLISH HERE : Tips for travellling
POST EN ESPANOL AQUI : Viajando de manera diferente
POST EN FRANçAIS ICI:Voyager de manière différente


Trans-Siberian train, 2006

Desde de muito jovem descobri que a viagem era, para mim, a melhor maneira de aprender. Continuo até hoje com esta alma de peregrino, e decidi relatar neste blog algumas das lií§íµes que aprendi, esperando que possam ser úteis a outros peregrinos como eu.

1] Evite os museus. O conselho pode parecer absudo, mas vamos refletir um pouco juntos: se voce está numa cidade estrangeira, ní£o é muito mais interessante ir em busca do presente que do passado? Acontece que as pessoas sentem-se obrigadas a ir a museus, porque aprenderam desde pequeninas que viajar é buscar este tipo de cultura. É claro que museus sí£o importantes, mas exigem tempo e objetividade – voce precisa saber o que deseja ver ali, ou vai sair com a impressí£o de que viu uma porí§í£o de coisas fundamentais para a sua vida, mas ní£o se lembra quais sí£o.

2] Frequente os bares.
Ali, ao contrário dos museus, a vida da cidade se manifesta. Bares ní£o sí£o discotecas, mas lugares onde o povo vai, toma algo, pensa no tempo, e está sempre disposto a uma conversa. Compre um jornal e deixe-se ficar contemplando o entra-e-sai. Se alguém puxar assunto, por mais bobo que seja, engate a conversa: ní£o se pode julgar a beleza de um caminho olhando apenas sua porta.

3] Esteja disponí­vel. O melhor guia de turismo é alguém que mora no lugar, conhece tudo, tem orgulho de sua cidade, mas ní£o trabalha em uma agíªncia. Saia pela rua, escolha a pessoa com quem deseja conversar, e peí§a informaí§íµes (onde fica tal catedral? Onde estí£o os Correios?) Se nao der resultado, tente outra – garanto que no final do dia irá encontrar uma excelente companhia.

4] Procure viajar sózinho, ou – ser for casado – com seu conjuge.
Vai dar mais trabalho, ninguém vai estar cuidando de voce(s), mas só desta maneira poderá realmente sair do seu paí­s. As viagens em grupo sí£o uma maneira disfarí§ada de estar numa terra estrangeira, mas falando a sua lí­ngua natal, obedecendo o que manda o chefe do rebanho, preocupando-se mais com as fofocas do grupo do que com o lugar que se está visitando.

5] Ní£o compare
. Ní£o compare nada – nem preí§os, nem limpeza, nem qualidade de vida, nem meio de transportes, nada! Voce ní£o está viajando para provar que vive melhor que os outros – sua procura, na verdade, é saber como os outros vivem, o que podem ensinar, como se enfrentam com a realidade e com o extraordinário da vida.

6] Entenda que todo mundo lhe entende
. Mesmo que nao fale a lingua, nao tenha medo: já estive em muitos lugares onde nao havia maneira de me comunicar através de palavras, e terminei sempre encontrando apoio, orientaí§í£o, sugestíµes importantes, e até mesmo namoradas. Algumas pessoas acham que, se viajarem sózihas, ví£o sair na rua e se perder para sempre. Basta ter o cartí£o do hotel no bolso, e – numa situaí§í£o estrema – tomar um táxi e mostra-lo ao motorista.

7] Ní£o compre muito. Gaste seu dinheiro com coisas que nao vai precisar carregar: boas peí§as de teatro, restaurantes, passeios. Hoje em dia, com o mercado global e a Internet, voce pode ter tudo sem precisar pagar excesso de peso.

8] Ní£o tente ver o mundo em um mes. Mais vale ficar numa cidade quatro a cinco dias, que visitar cinco cidades em uma semana. Uma cidade é uma mulher caprichosa, precisa de tempo para ser seduzida e mostrar-se completamente.

9] Uma viagem é uma aventura.
Henry Miller dizia que é muito mais importante descobrir uma igreja que ninguém ouviu falar, que ir a Roma e sentir-se obrigado a visitar a Capela Sixtina, com duzentos mil turistas gritando nos seus ouvidos. Vá í  capela Sixtina, mas deixe-se perder pelas ruas, andar pelos becos, sentir a liberdade de estar procurando algo que ní£o sabe o que é, mas que – com toda certeza – irá encontrar e mudará a sua vida.