1 MIN leitura: perguntas sem resposta

Ao subir uma trilha nos Pirineus em busca de um lugar onde pudesse praticar o arco e flecha, deparei-me com um pequeno acampamento do exército francíªs. Os soldados me olharam, eu fingi que ní£o estava vendo nada (todos nós temos um pouco esta paranóia de sermos considerados espiíµes…) e segui adiante.
Achei o lugar ideal, fiz os exercí­cios preparatórios de respiraí§í£o, e eis que vejo um veiculo blindado se aproximando. Salta do veí­culo um coronel, pergunta se eu sou o escritor, e vencendo a timidez quase visí­vel, diz que também escreveu um livro
Me conta a curiosa gíªnese de seu trabalho.
Ele e sua mulher faziam doaí§íµes para uma crianí§a leprosa que originalmente vivia na índia, mas que depois foi transferida para a Franí§a. Um belo dia, curiosos de conhecer a menina, foram até o convento onde freiras se encarregavam de tomar conta. Uma freira pediu que ele ajudasse na educaí§í£o espiritual do grupo de crianí§as que ali vivia. Jean Paul Sétau (este é o nome do militar) disse que ní£o tinha qualquer experiíªncia em aulas de catecismo, mas que iria meditar, e perguntar a Deus o que fazer.
Naquela noite, depois de suas oraí§íµes, escutou a resposta: “ao invés de dar respostas, procure saber o que as crianí§as querem perguntar”.
A partir daí­, Sétau teve a idéia de visitar várias escolas, e pedir que os alunos escrevessem tudo que gostariam de saber a respeito da vida.

A seguir, algumas das perguntas:
Onde vamos depois da morte?
Por que nós temos medo de estrangeiros?
Existem marcianos e extra-terrestres?
Por que acontecem acidentes mesmo com gente que acredita em Deus?
O que significa Deus?
Por que nascemos, se morremos no final?
Quem inventou a guerra e a felicidade?
O Senhor também escuta aqueles que ní£o acreditam no mesmo Deus (católico)?
Por que existem pobres e doentes?
Por que Deus criou mosquitos e moscas?
Por que o anjo da guarda ní£o está perto quando estamos tristes?
Por que amamos certas pessoas, e detestamos outras?
Se Deus está no céu, e minha mí£e também está lá porque morreu, como é que Ele pode estar vivo?

Oxalá alguns professores ou pais, lendo esta coluna, sintam-se estimulados a fazer a mesma coisa. Desta maneira, ao invés de tentar impor nossa compreensí£o adulta do universo, terminaremos por relembrar algumas de nossas perguntas da infí¢ncia – que na verdade jamais foram respondidas.