20 SEG leitura: o jogo de xadrez

O jovem disse ao abade do mosteiro:

– Bem que eu gostaria de ser um monge, mas nada aprendi de importante na vida. Tudo que meu pai me ensinou foi jogar xadrez, que não serve para iluminação. Além do mais, aprendi que qualquer jogo é um pecado.

– Pode ser um pecado, mas também pode ser uma diversão, e quem sabe este mosteiro não está precisando um pouco de ambos – foi a resposta.

O abade pediu um tabuleiro de xadrez, chamou um monge, e mandou-o jogar com o rapaz.

Mas antes da partida começar, acrescentou:

– Embora precisemos de diversão, não podemos permitir que todo mundo fique jogando xadrez. Então, teremos apenas o melhor dos jogadores aqui; se nosso monge perder, ele sairá do mosteiro, e abrirá uma vaga para você.

O abade falava sério. O rapaz sentiu que jogava por sua vida, e suou frio; o tabuleiro tornou-se o centro do mundo.

O monge começou a perder. O rapaz atacou, mas então viu o olhar de santidade do outro; a partir deste momento, começou a jogar errado de propósito. Afinal de contas preferia perder, porque o monge podia ser mais útil ao mundo.

De repente, o abade jogou o tabuleiro no chão.

– Você aprendeu muito mais do que lhe ensinaram – disse. – Concentrou-se o suficiente para vencer, foi capaz de lutar pelo que desejava. Em seguida, teve compaixão, e disposição para sacrificar-se em nome de uma nobre causa.

” Seja bem-vindo ao mosteiro, porque sabe equilibrar a disciplina com a misericórdia.”

Comments

  1. Marcos A. R. Pasquini says:

    A maior de todas as viagens é a viagem ao seu interior, onde a sua alma busca a sua origem a verdadeira liberdade.
    Marcos Pasquini

  2. nilza says:

    Paulo, boa jogada utilizar do xadrez para explainar sobre ensimentos profundos. São estes detalhes que fazem prazeroso ler seus escritos.

  3. Rodrigo says:

    Sempre achei que tinha algo mais em uma partida de xadrez.

  4. O jogo de xadrez sempre servindo para bons exemplos, ironia com a passar um tempo no xadrez (preso)

  5. Manuela says:

    Como seria a Humanidade se soubessemos sempre equilibrar esses dois valores? Por certo seriamos uma Humanidade justa,sábia e feliz

  6. Alexandra Paraíso says:

    Até num simples jogo, conseguimos ver quem é puro do coração….

  7. marie-christine says:

    o jogo de xadrez – ensinha algo a los meninos – ganhar e perder -

  8. Alessandra Nunes says:

    Eu adorei esta estória, magnífica… Ensina que até um simples jogo ensina sobre o lado espiritual…

  9. Esse conto é magnífico!
    O jogo de xadrez me ensinou muitas coisas nessa vida. Pode parecer absurdo falar isso de um simples jogo, mas é a mais pura verdade :)
    Quisera ser desprendida como esse jovem. Ainda dá tempo, não é? ;)

    MUITO obrigada, querido Paulo!!!!!!

    Beijos! <3

  10. Andréa says:

    Obrigada.

  11. adorei a historia paulo coelho só ñ entendi a parte “o monge podia ser mais útil ao mundo.” e “abade do mosteiro” o que eh isso? responde la no meu twitter ,mas contanto adorei !

  12. Mônica says:

    Concordo plenamente com a história… É preciso saber equilibrar as duas coisas: dedicação e compaixão, para que uma não sufoque a outra.

  13. Sabe, Paulo Coelho, antes de lê-lo, eu o imaginava como Merlin. Depois que o li, tive certeza de que eras mesmo um Grande Merlin, pela mágica que faz com as palavras. Me pego pensando: Como isso é possível? Só pode mesmo ser magia. Obrigada, por existir.

    Bjs 1000!!!

  14. Danielle says:

    Palavras sábias para preencher a alma…
    Por que AMO Paulo Coelho…♥