Dirceu e Wikileaks

Hoje almocei com José Dirceu, a quem conheci em dezembro de 2005, logo depois de sua saí­da do governo.
No meio do almoí§o descontraí­do (comida árabe), comentei sobre os telegramas do Departamento de Estado Americano, que estí£o sendo divulgados pelo site Wikileaks. Para minha supresa, Dirceu disse que acabara de ser entrevistado por um jornal (ní£o mencionou se era brasileiro ou de outro paí­s) justamente a respeito de informaí§íµes que seriam divulgadas na próxima semana.

Peguei um caderno que sempre carrego gomigo ( Moleskine, tradií§í£o de escritor) e comecei a anotar nossa conversa. Abaixo o que está nos telegramas e o verdadeiro conteúdo das conversas,segundo José Dirceu.
A] sí£o vários telegramas, porque sí£o vários interlocutores

B] Em um deles, em churrasco na sua casa em Vinhedo, o ex-funcionario do Departamento de Estado Bill Perry, comenta sobre eleií§íµes no Brasil. Zé e Bill conversam durante toda a tarde, sobre uma infinidade de assuntos. No telegrama enviado ao Depto. De Estado, a conversa foi resumida nos seguintes items:
1] que Zé tinha feito Caixa 2 (segundo Dirceu, uma conclusí£o do interlocutor )
2] que ní£o falou de reforma polí­tica ( segundo Dirceu, foi um dos assuntos dominantes).

C] O mesmo Bill Perry, na apartamento funcional de José Dirceu em Brasí­lia, teve outra longa conversa, que resumiu em algo como “José Dirceu afirmou que Lula ní£o seria candidato a um segundo turno, já que achava que iria perder as eleií§íµes”. Dirceu afirma que tudo que fez foi traí§ar os cenários que a oposií§í£o estava desejando naquele momento.

D] Em outro cabo, o entí£o embaixador americano (aqui ní£o me lembro o nome) relata conversas com Dirceu sobre a ALCA, mas se limita a dizer aquilo que lhe interessa. Todas as explicaí§íµes dadas por Dirceu – posií§í£o do governo brasileiro e do PT sobre a inviabilidade da ALCA – se resumiu a uma referencia no telegrama, sobre a concordancia do Brasil de um novo encontro a respeito.

E] Ainda o embaixador americano na época: Dirceu defenda a posií§í£o da Venezuela e do governo Chavez, mas o embaixador resume toda a conversa em uma opinií£o de Dirceu – que o Chavez devia se concentrar nas questíµes economicas do paí­s e ní£o em um conflito com os EUA.

Vale a pena acrescentar o seguinte a este post
a] embora tenha visto anotando a conversa, José Dirceu nao me pediu nenhuma ajuda a respeito do tema.
b] José Dirceu foi entrevistado por esse jornal (repito, pode ser brasileiro ou estrangeiro) mas ní o viu os telegramas. O jornalista leu os telegramas, e os itens acima se baseiam nas anotaí§íµes de Dirceu sobre a conversa.