Personagem da semana: Veronika

“A vida aqui dentro do hospí­cio é era exatamente igual í  vida lá fora. Tanto lá como aqui, as pessoas reúnem-se em grupos, criam as suas muralhas, e ní£o deixam que nada de estranho possa perturbar as suas mediocres existíªncias. Fazem coisas porque estí£o acostumadas a fazer, estudam assuntos inúteis, divertem-se porque sí£o obrigadas a divertir-se, e que o resto do mundo se dane, se resolva por si mesmo.
“No máximo, víªem – como nós vemos tantas vezes juntos – o noticiário da televisí£o, só para terem a certeza do quanto sí£o felizes, num mundo cheio de problemas e injustií§as.”

“Um poderoso feiticeiro, querendo destruir um reino, deitou uma poí§í£o mágica no poí§o da cidade. Quem bebesse aquela água ficaria louco.
Na manhí£ seguinte, todos enlouqueceram, menos o rei – que tinha um poí§o só para si e para a sua famí­lia, onde o feiticeiro ní£o conseguiu entrar.
Preocupado, ele tentou controlar a populaí§í£o com uma série de medidas de seguraní§a: mas os polí­cias e os inspetores tinham bebido a água envenenada, e acharam um absurdo as decisíµes do rei.
Aos gritos, foram até ao castelo e exigiram que renunciasse.
Desesperado, o rei prontificou-se a deixar o trono, mas a rainha impediu-o, dizendo:
“Vamos agora até í  fonte e beberemos também. Assim, ficaremos iguais a eles.”
E assim foi feito: o rei e a rainha beberam a água da loucura, e comeí§aram imediatamente a dizer coisas sem sentido.
Na mesma hora, os seus súbditos arrependeram-se: agora que o rei mostrava tanta sabedoria, porque ní£o deixá-lo a governar o paí­s?
O paí­s continuou em paz, embora os seus habitantes se comportassem de maneira muito diferente da dos seus vizinhos.
E o rei pí´de governar até ao final dos seus dias.

_______________________________________________
trechos do livro VERONIKA DECIDE MORRER