2013: 13 perguntas para Paulo Coelho

“A humanidade terá de ser mais responsável e menos destrutiva”
O escritor diz que 2013 é tempo para as pessoas assumirem as responsabilidades sobre seus atos e aprenderem a entender outras culturas em nome da paz mundial
Luís Antônio Giron

Em 2011, o escritor Paulo Coelho sofreu uma obstrução nas artérias do coração que o lançou ao limite entre a vida e a morte e o estimulou a repensar toda sua carreira de autor de sucessos. “Os momentos difíceis nos ensinam a viver melhor”, disse a ÉPOCA de sua casa em Genebra, na Suíça. Hoje, aos 64 anos, menos viajante e mais preocupado com a qualidade de vida, ele encontra tempo para meditar, planejar um romance a ser lançado em 2013 e fazer previsões. Nesta entrevista, discorre sobre o futuro do Brasil e do mundo. Segundo ele, a palavra de ordem para os meses que virão é “responsabilidade”.

1 – ÉPOCA – Que sentimento o senhor recomenda à humanidade para os próximos meses?
Paulo Coelho – O sentimento da responsabilidade. A humanidade terá de ser mais responsável e menos destrutiva. A comunidade social permite que qualquer pessoa tenha uma voz que será ouvida. É preciso aproveitar isso para se fazer ouvir. É o contrário do que acontece hoje, nas caixas de comentários de notícias. Em vez de se dar conta de que são responsáveis pelo que dizem, elas se dedicam a criticar qualquer coisa e pessoa de forma violenta e indiscriminada. É o que se chama de “trolar” no jargão da internet. Faça com que sua voz seja ouvida com responsabilidade, e não como uma brincadeira. Mais responsabilidade e menos “trolagem”!

2 – ÉPOCA – Que lugar inspirador ou para peregrinar o senhor recomenda para 2013?
Coelho – Peregrine por seu coração. Ele é inspirador. As pessoas estão freqüentando muito a lógica e deixando de lado o sentimento. O coração tem uma caixa de ferramentas de que você precisará em 2013. Ali, você encontra a intuição e a capacidade de reagir rápido sem pensar muito. Com isso, não quero ser irracional. Refiro-me ao coração como metáfora, não como órgão. A linguagem do coração será cada vez mais importante. Usando seu coração, você volta ao estado de criança. Sem a ingenuidade da criança. Isso lhe dará condições de ser criativo para os desafios do ano. Fará você se adaptar às crises do mundo, como lidar com as novas linguagens. O coração pode não ser pragmático, mas é sábio. Procure conhecer o interior de sua alma. E assim estará no meio da tempestade, com raios e trovões a sua volta, e se sentirá bem. Você é um desconhecido, e seu potencial é maior do que você sabe. Passeando pela alma, você ficará feliz com o que encontrará. As pessoas temem a confrontação. No outono, as folhas brincam entre si que não querem cair, mas não adianta: elas cairão. A paz é uma utopia se associada à idéia de ausência de conflito. Aceite os conflitos, dê boas-vindas a eles e toque para a frente, porque isso é parte da condição humana.

3 – ÉPOCA – Quais serão os maiores obstáculos para o crescimento pessoal humano em 2013?

Coelho – A zona de conforto será o pior obstáculo. Você cria essa zona achando que tem controle sobre tudo. Ora, isso é uma ilusão completa. No momento em que você acha que está tudo bem à sua volta, aí é que reside o perigo. Estou aqui parado, mas não me sinto tranquilo. Persigo a atividade, evitando a crença no controle. Aprendi isso em duas situações. A primeira foi em 1974, quando me achava o rei do mundo, porque tinha acabado de lançar a canção “Gita”, com Raul Seixas. Foi quando fui preso, desapareci – e aí meu mundo caiu. A segunda foi em 1979. Era um executivo de gravadora, achava que sabia aonde queria chegar. Troquei a Polygram pela CBS e aí fui mandado embora. Não consegui mais arranjar emprego. Foi uma bênção. Mas na hora você sofre. Você não tem controle sobre nada.

4 – ÉPOCA – Que poder espiritual ou habilidade o senhor pretende desenvolver no ano que vem?
Coelho – Quero fazer algo de que não tenho certeza se conseguirei: aprender árabe e hebraico. Acredito que, no caso de línguas em conflito, como essas duas, quem sabe as palavras “não estão sendo mal traduzidas”? Quando Lutero traduziu a Bíblia e ela se tornou a base do idioma alemão, demonstrou que as palavras do latim eram imprecisas. A língua necessita de uma precisão. Se você entende os idiomas, passa a entender melhor as pessoas que falam aquelas línguas. Eu gostaria de manter um diálogo entre essas duas línguas distintas. São línguas místicas. O hebraico com o misticismo da cabala e o árabe com a poesia do Corão.Quem sabe não consigo aproximar esses dois universos?

5 – ÉPOCA – O ano de 2012 foi marcado pela ascensão da literatura erótica para mulheres. O senhor acha que a tendência continuará? Quais as consequências desse tipo de literatura paraas mulheres?
Coelho – Vejo como uma coisa positiva. Se gente como a Erika (Leonard James, autora da trilogia erótica Cinqüenta tons de cinza,) vende tantos livros, é porque tocou numa veia sensível que estava oculta. Esse tipo de literatura é liberadora. A relação das pessoas em relação ao sexo é ainda travada. Minha geração experimentou o sexo como livre. Depois, houve um retrocesso tremendo. É hora de as pessoas repensarem a sexualidade.

6 – ÉPOCA – A literatura continuará a contribuir para o aperfeiçoamento das pessoas ou perderá terreno para a tecnologia?
Coelho – A literatura viverá uma transformação radical, por causa das pessoas. A primeira delas é a linguagem. Não há mais espaço para escrever a seus pares. Isso é perder a relevância. A literatura é beneficiada pela busca da simplicidade. O blogueiro se educa em concentrar-se na essência do que escreverá. É essa a transformação na literatura. Ela se tornará importante, mas não será como a conhecemos hoje. Literatura precisa de estilo, de conteúdo e de uma plataforma. A literatura está mudando nos três níveis. Como escritor, tenho de me adaptar à nova linguagem. Minha literatura sempre seguiu o princípio da objetividade que evita a superficialidade, sem perder a poesia. Escrever pelas redes sociais é fazer literatura. Hoje em dia, a literatura, como tudo, está migrando para a tela dos celulares. A literatura será lida pelo telefone.

7 – ÉPOCA – O torcedor brasileiro tem pela frente dois eventos internacionais sediados no país: a Copa das Confederações em 2013 e a Copa do Mundo em 2014. Vamos vencer?

Coelho – Minha esperança é que o Brasil dê o show que ele dará. Não tenho dúvida de que venceremos. A Olimpíada de Londres foi criticada, mas foi responsável pela recuperação do país. Espero que aprendamos com os erros alheios.

8 – ÉPOCA – Os brasileiros estão ficando mais ricos. A riqueza nos trará felicidade?
Coelho – O Brasil se livrou do complexo de vira-lata. Demos um passo gigantesco. Antes, o brasileiro batia no peito e dizia que tinha orgulho, mas, no fundo, admirava outras culturas. Agora ele é brasileiro, está contente de ser brasileiro, porque sua voz é ouvida. O brasileiro está conquistando a vida plena. Demorou!

9 – ÉPOCA – Ficaremos mais sábios ou mais superficiais?

Coelho – Não sei. Se escolhermos combinar os lados masculino com feminino, a intuição e a força, ficaremos mais sábios. Mas é impossível saber ao certo. Estamos sendo arrastados ao mar da banalidade. Quando você sofre o excesso de informação, a tendência é voltar à simplicidade. Bater papo no bar ou na praça foi a origem da filosofia na ágora de Atenas. A saturação faz com que a gente queira voltar ao simples. E a tecnologia colabora nessa volta. Por mais que pareça uma contradição, a tecnologia nos ajuda a voltar aos fundamentos, à escolha das fontes de informação. Se, antes, sentíamos o fascínio pela internet, agora vivemos um momento de seleção e concentração da informação. Indo mais fundo, você acaba simplificando. E a simplicidade nos deixará mais sábios.

10 – ÉPOCA – De onde virão os ventos da vL^ mudança política e cultural para o mundo, se é que haverá mudanças?
Coelho -A tecnologia está mudando tudo. As pessoas estão passivas ou ativas de uma maneira errada. Fazem “trolagem”, porque acham que estão colaborando, mas não estão fazendo nada.

11 – ÉPOCA – O senhor vê um mundo unido por uma ideologia, como dizia John Lennon na canção “Imagine”?

Coelho -Não. É o oposto de John Lennon. Acredito num mundo em que as diferenças serão respeitadas. Estamos caminhando para um mundo de minorias. A globalização econômica dissolveu as fronteiras. Isso nos leva a voltar à condição tribal, tendo a tecnologia como ajuda. As minorias terão de ser respeitadas.

12 – ÉPOCA – Devemos temer a intolerância religiosa?

Coelho – O grande problema deste milênio é que ele aponta para a intolerância religiosa. As pessoas, por ausência de fé, precisam provar a elas próprias que têm fé. As agendas políticas são determinadas pelas agendas religiosas.

13 – ÉPOCA – A que pergunta o senhor gostaria de responder, caso um repórter do futuro aparecesse na sua frente?
Coelho – Gostaria de responder a uma só pergunta: “Você viveu com dignidade?” Esperaria responder ao repórter com um sonoro “sim!”.