Manual de matar trolls

troll

“E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora”(João, 2:15)

1] Bullying (trolagem) só ocorre com quem tem alguma relevância. Se voce está sendo trolado, é porque está acima da média.
Não concorda? Basta ir para algum portal, abrir uma noticia de celebridade, e olhar os comentários. Qualquer celebridade – seja ela artista, política, esportista.
2] A anonimidade na internet é covarde. Os trolls são pessoas com um comportamento doentio, mas que podem causar mal aos mais fracos.
3] Só existe uma maneira de reagir: deixando bem claro que qualquer coisa que escreverem sobre você terá consequências no futuro. Talvez não no próximo mês, nem no próximo ano, mas um dia eles vão precisar de sua ajuda.
4] E você, claro, não vai ajudar. Porque tem um a lista com o nome de todos os que pertencem às trevas.
5] crie esta lista agora. Mantenha-a atualizada. E desta maneira voce sempre terá a última palavra.
Os trolls não merecem respeito, porque não respeitam ninguem, e se acham o máximo porque ingenuamente pensam que estão atuando de maneira anônima.

NOTAS
Muita gente pode dizer: “isso é vingança!”. Nada mais errado. Você merece respeito – e respeito é uma conquista, não uma coisa que deve tomar como garantida.
Cabe a você lutar contra aqueles que querem cobrir o mundo de negatividade e de trevas.
Quando eu era jovem fui muito trolado na escola. Os outros me atacavam para poder brilhar. Eu não tinha como me defender, e tudo que pude fazer foi esperar o momento do contra-ataque, qeu sempre surge.
Podia também me dar por vencido, acreditar que não valia nada. Mas desde sempre tive essa idéia do “guerreiro da luz”, aquele que está sempre sendo testado, e precisa aceitar desafios.
Nesta altura (devia ter uns 16 anos) resolvi criar duas listas. A de pessoas que me apoiavam e me ajudavam (Lista da Luz) e a dos que insistiam em me colocar para baixo ( Lista Negra)

Hoje em dia já não me ocupo mais disso, mas meu escritório varre sistematicamente a internet, e anota os nomes da lista negra.
Nestes dez anos passados, por exemplo, pelo menos umas 150 pessoas que me atacaram vieram me pedir favores.
Achavam que eu tinha esquecido. Um deles inclusive veio me pedir voto para uma cadeira na Academia Brasileira de Letras, da qual sou membro.
Outros, escritores e musicos aspirantes, que pediam um apoio para seus trabalhos mas que não hesitavam em falar mal em comunidades sociais.
Claro que nunca me lembro de quem fala mal, e raramente leio o que escrevem. Mas antes de fazer qualquer favor eu consulto meu escritório.
ee o nome estiver ali, serei muito gentil mas farei questão de lembrar à pessoa o que ela disse, e por essa razão não me julgo “à altura” de fazer qualquer coisa.

ANEXOS
A Lei de Jante (Portugues)
11 Facts about Bullying
A few real life cases young kids committing suicide as a consequence of cyberbullying
 
 

11 facts about bullying

(statistics are for USA only, but I believe that they repeat themselves in every single country on this planet)

1] Over 3.2 million students are victims of bullying each year.

2] 1 in 4 teachers see nothing wrong with bullying and will only intervene 4 percent of the time.

3] Approximately 160,000 teens skip school every day because of bullying.

4] 1 in 7 students in grades K-12 is either a bully or a victim of bullying.

5] 56 percent of students have personally witnessed some type of bullying at school and did nothing.

6] Over two-thirds of students believe that schools respond poorly to bullying, with a high percentage of students believing that adult help is infrequent and ineffective.

7] 71 percent of students report incidents of bullying as a problem at their school.

8] 90 percent of 4th through 8th graders report being victims of bullying.

9] 1 out 10 students drop out of school because of repeated bullying.

10] Harassment and bullying have been linked to 75 percent of school-shooting incidents.

11] Physical bullying increases in elementary school, peaks in middle school and declines in high school. Verbal abuse, on the other hand, remains constant.

(source: DoSomething.org )