O guerreiro da luz e o novo ano

Sabendo esperar

O guerreiro da luz precisa de tempo para si mesmo. E usa este tempo para o descanso, a contemplaí§í£o, o contacto com a Alma do Mundo. Mesmo no meio de um combate, ele consegue meditar.

Em algumas ocasiíµes o guerreiro senta-se, relaxa, e deixa que tudo que está acontecendo ao seu redor continue acontecendo. Olha tudo a sua volta como se fosse um espectador, ní£o tenta crescer nem diminuir – apenas entregar-se sem resistíªncia ao movimento da vida.

Aos poucos, tudo que parecia complicado comeí§a a tornar-se simples. E o guerreiro se alegra.

Descobrindo o objetivo

Quando se quer uma coisa, o Universo inteiro conspira a favor. O guerreiro da luz sabe disso.

Por esta razí£o, toma muito cuidado com seus pensamentos. Escondidos debaixo de uma série de boas intení§íµes estí£o desejos que ninguém ousa confessar a si mesmo: a vinganí§a, a autodestruií§í£o, a culpa, o medo da vitória, a alegria macabra com a tragédia dos outros.

O Universo ní£o julga: conspira a favor do que desejamos. Por isso, o guerreiro tem coragem de olhar para as sombras de sua alma e procura iluminá-las com a luz do perdí£o.

O guerreiro da luz é senhor dos seus pensamentos.

Entendendo a rotina

Há momentos em que o caminho do guerreiro passa por perí­odos de rotina. Entí£o ele aplica um ensinamento de Nachman de Bratzlav:

“Se vocíª ní£o consegue se concentrar, ou se está aborrecido com o seu dia, deve repetir apenas uma simples palavra, porque isto faz bem a alma. Ní£o diga nada mais, apenas repita esta palavra sem parar, incontáveis vezes. Ela terminará perdendo seu sentido, e depois ganhará um significado novo. Deus abrirá as portas, e vocíª terminará usando esta simples palavra para dizer tudo o que queria”.

Quando é forí§ado a fazer a mesma tarefa várias vezes, o guerreiro utiliza esta tática, e transforma o seu trabalho em oraí§í£o.

Celebrando o ano que termina

O guerreiro viveu todos os dias do ano que passou, e mesmo que tenha perdido grandes batalhas, sobreviveu e está aqui. Isso é uma vitória. Esta vitória custou momentos difí­ceis, noites de dúvidas, intermináveis dias de espera. Desde os tempos antigos, celebrar um triunfo faz parte do próprio ritual da vida.

A comemoraí§í£o é um rito de passagem.

Os companheiros olham a alegria do guerreiro da luz, e pensam: “por que faz isto? Pode decepcionar-se em seu próximo combate. Pode atrair a fúria do inimigo”.

Mas o guerreiro sabe o motivo de seu gesto. Ele se beneficia do melhor presente que a vitória é capaz de trazer: confianí§a.

O guerreiro celebra o ano que passou, para ter mais forí§as nas batalhas de amanhí£.

(em O Manual do Guerreiro da Luz )