Vinte anos depois: os dois sábios

Era uma vez um sábio chamado Sidi Mehrez. Estava irritadí­ssimo com o lugar onde vivia, uma linda cidade í  beira do Mar Mediterrí¢neo; homens e mulheres viviam de maneira depravada, e o dinheiro era o único valor importante. Como Mehrez era também santo e fazia milagres, resolveu amarrar seu cachecol em torno de Tunis e atirá-la no oceano.

Os edifí­cios comeí§aram a cair, o chí£o se levantou, os habitantes entraram em pí¢nico, ao ver que estavam sendo empurrados em direí§í£o a morte. Desesperados, resolveram pedir ajuda a um amigo de Mehrez, chamado Sidi Ben Arous. Ben Arous conseguiu convencer o rigoroso santo a interromper a destruií§í£o; mas desde entí£o todas as ruas de Tunis sí£o inclinadas.

Caminho pelo bazar desta cidade africana, trazido pelo vento desta peregrinaí§í£o com a qual celebro os 20 anos do meu caminho de Santiago (1986). Estou com Adam Fathi e Samir Benali, dois escritores locais; a quinze quilí´metros estí£o as ruí­nas de Cartago, que no passado remoto foi capaz de enfrentar-se com a poderosa Roma. Discutimos a epopéia de Aní­bal, um de seus guerreiros; os romanos esperavam uma batalha marí­tima (as duas cidades estavam separadas por apenas algumas centenas de quilí´metros de mar), mas Aní­bal enfrentou o deserto, cruzou o estreito de Gibraltar com um gigantesco exército, atravessou a Espanha, Franí§a, subiu os Alpes com soldados e elefantes, e atacou o Império pelo norte. Venceu todos os inimigos em seu caminho e de repente, sem que até hoje alguém saiba direito porque, parou diante de Roma, e ní£o a atacou no momento exato. O resultado desta indecisí£o: Cartago foi riscada do mapa pelos navios romanos.

Passamos por um lindo edifí­cio: em 1754, um irmí£o matou o outro. O pai de ambos resolveu construir este palácio para abrigar uma escola, mantendo viva a memória de seu filho assassinado. Comento que, ao fazer isso, o filho assassino também seria lembrado.

– Ní£o é bem assim – responde Samil. – Em nossa cultura, o criminoso divide a culpa com todos que lhe permitiram cometer o crime. Quando um homem é executado, aquele que lhe vendeu a arma é também responsável diante de Deus. A única maneira de o pai corrigir que considerava seu erro, foi transformando a tragédia em algo que possa ajudar os outros: ao invés da vinganí§a que se limita ao castigo, a escola permitiu que instruí§í£o e a sabedoria pudessem ser transmitidas há mais de dois séculos.

Em uma das portas da antiga muralha há uma lanterna. Fathi comenta o fato de eu ser um escritor conhecido, enquanto ele ainda luta por reconhecimento:

– Aqui está a origem de um dos mais célebres provérbios árabes: “a luz ilumina apenas o estrangeiro.”

Digo que Jesus fez o mesmo comentário: ninguém é profeta em sua própria terra. Tendemos sempre a valorizar aquilo que vem de longe, sem jamais reconhecer tudo de belo que está ao nosso redor.

Entramos em um antigo palácio, hoje transformado em centro cultural. Meus dois amigos comeí§am explicar-me a história do lugar, mas minha atení§í£o foi completamente desviada pelo som de um piano, e comeí§o a segui-lo pelos labirintos do edifí­cio. Termino em uma sala onde um homem e uma mulher, aparentemente alheios ao mundo, tocam a “Marcha Turca” a quatro mí£os. Lembro-me que alguns anos atrás vi algo semelhante – um pianista em um centro comercial, concentrado em sua música, sem prestar atení§í£o í s pessoas que passavam falando alto ou com o rádio ligado.

Mas aqui estamos apenas nós tríªs e os dois pianistas. Posso ver a expressí£o no rosto de ambos: alegria, a mais pura e completa alegria. Ní£o estí£o ali para impressionar nenhuma platéia, mas porque sentem que foi este o dom que Deus lhes deu para conversarem com suas almas. Por conseqüíªncia, terminam também conversando as almas de Adam, Samil, Paulo, e todos nós nos sentimos mais próximos do significado da vida.

Escutamos em silíªncio durante uma hora. Aplaudimos no final, e quando volto para o hotel, fico pensando na tal lanterna.

Sim, pode ser que ela apenas ilumine o estrangeiro, mas será que isso faz tanta diferení§a quando estamos possuí­dos por este gigantesco amor pelo que fazemos?

Próximo texto: 23.05.06

P.S: Estimado leitor,

Durante esta caminhada, que está enchendo minha alma de experiíªncias interessantí­ssimas, um dos momentos mais mágicos é quando chega a noite e posso ler os comentários no blog. Embora ní£o tenha como responder a todos, saibam que é muití­ssimo importante para mim entender que ní£o estou só neste caminho. Muito obrigado pelo apoio e pelas palavras e idéias que estí£o sendo gravadas em meu coraí§í£o.

Paulo Coelho