Archives for December 2010

Personagem da semana: Esperaní§a

Para o dicionário: s. f. tendíªncia do espí­rito para considerar algo como provável; a segunda das virtudes teologais; expectativa; suposií§í£o; probabilidade.

Nas palavras de Jesus: Olhai para as aves do céu: Ní£o semeiam, nem ceifam, nem recolhem em celeiros; e o vosso Pai celeste alimenta-as. Ní£o valeis vós mais do que elas? (Mateus, 6: 26)

Para os antigos gregos:
Em um dos clássicos mitos da criaí§í£o, um dos deuses, furioso com o fato de Prometeu roubar o fogo e com isso dar independíªncia ao homem, envia Pandora para casar-se com seu irmí£o, Epimeteus. Pandora traz consigo uma caixa, a qual foi proibida de abrir. Entretanto da mesma maneira que Eva no mito cristí£o, sua curiosidade é mais forte: levanta a tampa para ver o que contíªm, e neste momento todas as desgraí§as males do mundo saem dali e se espalham pela Terra. Apenas uma coisa fica lá dentro: a Esperaní§a, única arma para combater os males que se espalharam.

Em uma história hassí­dica (tradií§í£o judaica): No final dos quarenta dias de dilúvio, Noé saiu da arca. Desceu cheio de esperaní§a, acendeu incenso, olhou a sua volta, e tudo que viu foi destruií§í£o e morte. Noé reclamou:
“Todo-Poderoso, se conhecias o futuro, por que criastes o homem? Só para ter o prazer de castigá-lo?”
Um perfume triplo subiu até os céus: o incenso, o perfume das lágrimas de Noé, e o aroma de suas aí§íµes. Entí£o veio a resposta:
“As preces de um homem justo sempre sí£o ouvidas. Vou te dizer porque fiz isto: para que entendesses tua obra. Tu e teus descendentes usarí£o a esperaní§a, e estarí£o sempre reconstruindo um mundo que veio do nada. Desta maneira dividiremos o trabalho e as conseqüíªncias: agora ambos somos responsáveis”.

Em uma história árabe: O grande califa Alrum Al-Rachid resolveu construir um palácio que marcasse a grandeza de seu reino. Ao lado do terreno escolhido, havia uma choupana. Al-Rachid pediu ao seu ministro que convencesse o dono – um velho tecelí£o – a vendíª-la para ser demolida. O ministro tentou, sem íªxito; de volta ao palácio, sugeriram que simplesmente expulsassem o velho do lugar.
“Ní£o”, respondeu Al-Rachid. “Ela passará a fazer parte do meu legado ao meu povo. Quando virem o palácio, dirí£o: ele foi grande. E, quando virem a choupana, dirí£o: ele foi justo, porque respeitou o desejo dos outros”.

La brasa solitaria


Illustration by Ken Crane

Juan iba siempre a los servicios dominicales de su parroquia. Pero como empezó a parecerle que el pastor decí­a siempre lo mismo, dejó de frecuentar la iglesia

Dos meses más tarde, en una frí­a noche de invierno, el pastor fue a visitarlo.
“Debe de haber venido para intentar convencerme de que vuelva”, se dijo Juan. Se le ocurrió que no podí­a aducir el verdadero motivo: lo repetitivos que eran los sermones. Tení­a que encontrar una disculpa, y mientras pensaba, colocó dos sillas delante de la chimenea y se puso a hablar del tiempo.

El pastor no decí­a nada. Juan, tras intentar en vano mantener la conversación un rato, se calló también. Los dos se quedaron en silencio, contemplando el fuego durante casi media hora.

En ese momento se levantó el pastor, y con ayuda de una rama que aún no habí­a llegado a arder, apartó una brasa y la colocó lejos del fuego.
La brasa, al no tener suficiente calor para seguir ardiendo, empezó a apagarse. Juan, con gran rapidez, la tiró de nuevo al centro del hogar.

-Buenas noches -dijo el pastor, levantándose para marcharse.
-Buenas noches y muchas gracias -respondió Juan-. La brasa lejos del fuego, por muy brillante que sea, acaba apagándose rápidamente.

“El hombre lejos de sus semejantes, por muy inteligente que sea, no conseguirá conservar su calor y su llama. El domingo que viene volveré a la iglesia”.

A brasa solitária


Illustration by Ken Crane

Juan ia sempre aos servií§os dominicais de sua congregaí§í£o. Mas comeí§ou a achar que o pastor dizia sempre as mesmas coisas, e parou de frequentar a igreja.

Dois meses depois, em uma fria noite de inverno, o pastor foi visitá-lo.

“Deve ter vindo para tentar convencer-me a voltar”, pensou Juan consigo mesmo. Imaginou que ní£o podia dizer a verdadeira razí£o: os sermíµes repetitivos. Precisava encontrar uma desculpa, e enquanto pensava colocou duas cadeiras diante da lareira, e comeí§ou a falar sobre o tempo.

O pastor ní£o disse nada.

Juan, depois de tentar inutilmente puxar conversa por algum tempo, também calou-se.

Os dois ficaram em silíªncio, contemplando o fogo por quase meia-hora.

Foi entí£o que o pastor levantou-se, e com a ajuda de um galho que ainda ní£o tinha queimado, afastou uma brasa, colocando-a longe do fogo.

A brasa, como ní£o tinha suficiente calor para continuar queimando, comeí§ou a apagar. Juan, mais que depressa, atirou-a de volta ao centro da lareira.

“Boa noite”, disse o pastor, levantando-se para sair.

“Boa noite e muito obrigado”, respondeu Juan. “A brasa longe do fogo, por mais brilhante que seja, terminará extinguindo rapidamente. O homem longe dos seus semelhantes, por mais inteligente que seja, ní£o conseguirá conservar seu calor e sua chama. Voltarei í  igreja no próximo domingo”.

UN: no clash of civilizations

22 December 2010 – United Nations Messenger of Peace Paulo Coelho gives short shrift to those who claim there is a clash of civilizations.

“I don’t believe in it. It’s something some political leaders tried to use, and that the media tried and are still trying to sell us, in order to simplify the world and their work,” the renowned Brazilian author told the UN News Centre in an interview.

“When they talk about a ‘clash of civilizations,’ it’s just a way to separate things but the reality, and what I see, is that we are much closer than we think. I was in China recently. I spoke to normal people and heard the same stories I would hear in Brazil. So where is the clash of civilisations? There is none.”

For Mr. Coelho, who is also a Special Counsellor for Intercultural Dialogues and Spiritual Convergences at the UN Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO) and a member of the UN “Network of Men Leaders” bringing together political, religious and cultural leaders to combat the pandemic of violence against women, everybody should be focussing on what unites, not on what separates.

To read the interview, CLICK HERE

En Franí§ais, CLIQUEZ ICI

O momento de decidir

O guerreiro da luz fica apavorado, quando precisa tomar decisíµes importantes.

“Isto é grande demais para vocíª”, diz um amigo em quem confia. “Vá em frente, tenha coragem”, diz outro amigo em quem confia. E suas dúvidas aumentam.

Depois de alguns dias de angústia, ele recorre ao melhor conselheiro de todos: o escuro do seu quarto.

Nas sombras, ele víª a si mesmo no futuro. Víª as pessoas que serí£o beneficiadas e prejudicadas por sua atitude.
Sabe que, ao dar um passo adiante, deixará alguma coisa – ou alguém – para trás. Ele ní£o quer causar sofrimentos inúteis, mas tampouco quer abandonar o caminho.

O guerreiro que observa a si mesmo deixa que a decisí£o se manifeste.

Se for preciso dizer sim, ele dirá com coragem.
Se for preciso dizer ní£o, ele dirá sem covardia.

El pino de St. Martin

Un dí­a antes de Navidad, el cura del pequeño pueblo de St. Martin, en los Pirineos franceses, se preparaba para celebrar la misa, cuando empezó a sentir en el aire un perfume delicioso. Era invierno, y hací­a mucho que las flores habí­an desaparecido, pero allí­ estaba ese aroma tan agradable, como si la primavera se estuviese adelantando.

Intrigado, salió de la iglesia para buscar el origen de semejante maravilla, y acabó encontrando a un muchacho sentado frente a la puerta de la escuela. Junto a él, habí­a una especie de árbol de Navidad completamente dorado.

– Pero, ¡qué belleza de árbol! – dijo el párroco -. ¡Con ese aroma divino que desprende, parece que ha tocado el mismí­simo cielo! ¡Y está hecho de oro puro! ¿Dónde lo conseguiste?

El joven no reaccionó con especial alegrí­a a los comentarios del religioso.

– Es cierto que este árbol, como usted lo llama, cada vez ha ido pesando más mientras lo cargaba hasta aquí­ caminando, y que las hojas se han puesto duras. Pero eso no puede ser oro, y me da miedo pensar en lo que dirán mis padres cuando vean lo que les traigo.

El muchacho relató entonces su historia:

– Hoy por la mañana salí­ hacia la gran ciudad de Tarbes para comprar un árbol de Navidad con el dinero que mi madre me habí­a dado. Pero ocurrió que, al cruzar un poblado, vi a una señora mayor, sola, sin familia con quien celebrar la gran fiesta de la Cristiandad, y le di un poco de dinero para la cena, confiado en que luego sabrí­a arrancarle un descuento al vendedor de la floristerí­a.

»Al llegar a Tarbes, pasé frente a la gran prisión, y habí­a allí­ algunas personas esperando la hora de la visita. Estaban todos tristes, pues iban a pasar esa noche lejos de sus seres queridos. Escuché que algunas de estas personas comentaban que ni siquiera habí­an conseguido comprar un pedazo de tarta. En ese mismo momento, impulsado por ese romanticismo que tienen los de mi edad, decidí­ compartir mi dinero con esas personas que lo necesitaban más que yo. Apenas guardarí­a una mí­nima cantidad para el almuerzo. Como el florista es amigo de mi familia, seguro que me darí­a el árbol, a cambio de que yo trabajase para él durante la semana siguiente, pagando así­ mi deuda.

»Sin embargo, cuando llegué al mercado me enteré de que el florista que conocí­a no habí­a ido a trabajar. Intenté por todos los medios que alguien me prestase dinero para comprar el árbol en otro lugar, pero fue imposible.

»Me dije a mí­ mismo que conseguirí­a pensar mejor con el estómago lleno, así­ que me dirigí­ a una fonda, pero se me cruzó un niño que parecí­a extranjero y me preguntó si podí­a darle alguna moneda, pues llevaba dos dí­as sin comer. Imaginando que el niño Jesús alguna vez también debió pasar hambre, le entregué a este otro lo poco que me quedaba, y me volví­ para casa. En el camino de regreso, le rompí­ una rama a un pino, y luego intenté retocarla, como podándola, pero fue poniéndose así­ de dura, que parece de metal, y no se parece ni de lejos al árbol de Navidad que mi madre está esperando.

– Pequeño amigo – dijo el cura “”, el perfume de este árbol tuyo no deja lugar a dudas: ha sido tocado por los Cielos. Déjame contarte lo que falta de tu historia:

»En cuanto te alejaste de aquella señora, ella inmediatamente pidió a la Virgen Marí­a, madre como ella, que te devolviese de alguna manera el favor recibido. Los familiares de los presos pensaron que se habí­an encontrado con un ángel, y rezaron agradeciéndoles a los ángeles las tartas que consiguieron comprar. Y el niño con el que te cruzaste, por su parte, le dio las gracias a Jesús por haber saciado su hambre.

»La Virgen, los ángeles, y el propio Jesús escucharon las peticiones de toda la gente a la que ayudaste. Cuando rompiste la rama del pino, la Virgen puso en ella el perfume de la misericordia. Mientras caminabas, los ángeles iban tocando sus hojas, transformándolas en oro. Por último, con todo ya concluido, Jesús examinó el trabajo, lo bendijo, y a partir de ahora, a quien toque este árbol de Navidad se le perdonarán los pecados y se le cumplirán los deseos.

Y así­ ocurrió. Cuenta la leyenda que el pino sagrado aún se encuentra en St. Martin; pero su poder es tal que su bendición alcanza a todos los que ayudan al prójimo en la ví­spera de la Navidad, por muy lejos que se encuentren de este pequeño pueblo de los Pirineos.

(inspirado en una historia jasí­dica)

Conto de Natal: O pinheiro de St. Martin

Na véspera de Natal, o padre da igreja no pequeno vilarejo de St. Martin, nos Pirineus franceses, se preparava para celebrar a missa, quando comeí§ou a sentir um perfume delicioso. Era inverno, há muito as flores tinham desaparecido – mas ali estava aquele aroma agradável, como se a primavera tivesse surgido fora de tempo.

Intrigado, ele saiu da igreja para buscar a origem de tal maravilha, e foi dar com um rapaz sentado na frente da porta da escola. Ao seu lado, estava uma espécie de árvore de Natal dourada.

– Mas que beleza de árvore! – disse o pároco. – Ela parece ter tocado o céu, já que irradia uma essíªncia divina! E é feita de ouro puro! Onde foi que a conseguiu?

O jovem ní£o demonstrou muita alegria com o comentário do padre.

– É verdade que isso que carrego comigo foi ficando cada vez mais pesado í  medida que eu andava, suas folhas ficaram duras. Mas ní£o pode ser ouro, e estou com medo da reaí§í£o de meus pais.

O rapaz contou sua história:

– Tinha saí­do hoje de manhí£ para ir até a grande cidade de Tarbes, com o dinheiro que minha mí£e havia me dado para comprar uma bela árvore de Natal. Acontece que, ao cruzar um povoado, vi uma senhora de idade, solitária, sem nenhuma famí­lia com quem comemorar a grande festa da Cristandade. Dei-lhe algum dinheiro para a ceia, pois estava certo que poderia conseguir um desconto na minha compra.

“Ao chegar em Tarbes, passei diante da grande prisí£o, e havia uma série de pessoas esperando a hora da visita. Todas estavam tristes, já que passariam a noite longe de seus entes queridos. Escutei algumas delas comentando que sequer tinham conseguido comprar um pedaí§o de torta. Na mesma hora, movido pelo romantismo de gente da minha idade, decidi que iria dividir meu dinheiro com aquelas pessoas, que estavam precisando mais que eu. Guardaria apenas uma í­nfima quantia para o almoí§o; o florista é amigo de nossa famí­lia, com certeza me daria a árvore, e eu poderia trabalhar para ele na semana seguinte, pagando assim a minha dí­vida”.

“Entretanto, ao chegar ao mercado, soube que o florista que conhecia ní£o tinha ido trabalhar. Tentei de todas as maneiras conseguir alguém que me emprestasse dinheiro para comprar a árvore em outro lugar, mas foi em ví£o”.

“Convenci a mim mesmo que conseguiria pensar melhor o que fazer, se estivesse com o estí´mago cheio. Quando me aproximei de um bar, um menino que parecia estrangeiro, perguntou se eu podia lhe dar alguma moeda, já que ní£o comia há dois dias. Como imaginei que certa vez o menino Jesus deve ter passado fome, entreguei-lhe o pouco dinheiro que me sobrava, e voltei para casa. No caminho de volta, quebrei um galho de um pinheiro; tentei ajeita-lo, corta-lo, mas ele foi ficando duro como se feito de metal, e está longe de ser a árvore de Natal que minha mí£e espera”.

– Meu caro – disse o padre – o perfume desta árvore ní£o deixa dúvidas de que ela foi tocada pelos Céus. Deixe-me contar o resto desta sua história:

“Assim que vocíª deixou a senhora, ela imediatamente pediu í  Virgem Maria, uma mí£e como ela, que lhe devolvesse esta bení§í£o inesperada. Os parentes dos presos se convenceram que tinham encontrado um anjo, e rezaram agradecendo aos anjos pelas tortas que foram compradas. O menino que vocíª encontrou, agradeceu a Jesus por ter sua fome saciada”.

“A Virgem, os anjos, e Jesus escutaram a prece daqueles que tinham sido ajudados. Quando vocíª quebrou o galho do pinheiro, a Virgem colocou nele o perfume da misericórdia. í€ medida que vocíª caminhava, os anjos iam tocando suas folhas, e as transformando em ouro. Finalmente, quando tudo ficou pronto, Jesus olhou o trabalho, abení§oou-o, e a partir de agora, quem tocar esta árvore de Natal, terá seus pecados perdoados e seus desejos atendidos”.

E assim foi. Conta a lenda que o pinheiro sagrado ainda se encontra em St. Martin; mas sua forí§a é tí£o grande que, todos aqueles que ajudam seu próximo na véspera de Natal, ní£o importa quí£o longe estejam do pequeno vilarejo dos Pirineus, sí£o abení§oados por ele.

(inspirado em uma história hassí­dica)

The moment to decide

The warrior of the light is terrified when faced with important decisions.

“That is too great for you,” says one friend. “Go on, be brave,” says another. And his doubts only increase.

After some days of anxiety, he withdraws into a corner of his tent, where he usually sits to mediate and pray. He sees himself in the future. He sees the people who will benefit and lose out because of his actions. He does not wish to cause unnecessary suffering, but nor will he abandon the path.

So the warrior allows the decision to appear.

If he must say yes, then he shall bravely say it.
If he must say no, then he shall say so without fear.

Dirceu e Wikileaks

Hoje almocei com José Dirceu, a quem conheci em dezembro de 2005, logo depois de sua saí­da do governo.
No meio do almoí§o descontraí­do (comida árabe), comentei sobre os telegramas do Departamento de Estado Americano, que estí£o sendo divulgados pelo site Wikileaks. Para minha supresa, Dirceu disse que acabara de ser entrevistado por um jornal (ní£o mencionou se era brasileiro ou de outro paí­s) justamente a respeito de informaí§íµes que seriam divulgadas na próxima semana.

Peguei um caderno que sempre carrego gomigo ( Moleskine, tradií§í£o de escritor) e comecei a anotar nossa conversa. Abaixo o que está nos telegramas e o verdadeiro conteúdo das conversas,segundo José Dirceu.
A] sí£o vários telegramas, porque sí£o vários interlocutores

B] Em um deles, em churrasco na sua casa em Vinhedo, o ex-funcionario do Departamento de Estado Bill Perry, comenta sobre eleií§íµes no Brasil. Zé e Bill conversam durante toda a tarde, sobre uma infinidade de assuntos. No telegrama enviado ao Depto. De Estado, a conversa foi resumida nos seguintes items:
1] que Zé tinha feito Caixa 2 (segundo Dirceu, uma conclusí£o do interlocutor )
2] que ní£o falou de reforma polí­tica ( segundo Dirceu, foi um dos assuntos dominantes).

C] O mesmo Bill Perry, na apartamento funcional de José Dirceu em Brasí­lia, teve outra longa conversa, que resumiu em algo como “José Dirceu afirmou que Lula ní£o seria candidato a um segundo turno, já que achava que iria perder as eleií§íµes”. Dirceu afirma que tudo que fez foi traí§ar os cenários que a oposií§í£o estava desejando naquele momento.

D] Em outro cabo, o entí£o embaixador americano (aqui ní£o me lembro o nome) relata conversas com Dirceu sobre a ALCA, mas se limita a dizer aquilo que lhe interessa. Todas as explicaí§íµes dadas por Dirceu – posií§í£o do governo brasileiro e do PT sobre a inviabilidade da ALCA – se resumiu a uma referencia no telegrama, sobre a concordancia do Brasil de um novo encontro a respeito.

E] Ainda o embaixador americano na época: Dirceu defenda a posií§í£o da Venezuela e do governo Chavez, mas o embaixador resume toda a conversa em uma opinií£o de Dirceu – que o Chavez devia se concentrar nas questíµes economicas do paí­s e ní£o em um conflito com os EUA.

Vale a pena acrescentar o seguinte a este post
a] embora tenha visto anotando a conversa, José Dirceu nao me pediu nenhuma ajuda a respeito do tema.
b] José Dirceu foi entrevistado por esse jornal (repito, pode ser brasileiro ou estrangeiro) mas ní o viu os telegramas. O jornalista leu os telegramas, e os itens acima se baseiam nas anotaí§íµes de Dirceu sobre a conversa.

1O SEC READING: choosing the path

“I am willing to give up everything”, said the prince to the master. “Please accept me as your disciple.”

“How does a man choose his path?” asked the master.

“Through sacrifice,” answered the prince. “A path which demands sacrifice, is a true path.”

The master bumped into some shelves. A precious vase fell, and the prince threw himself down in order to grab hold of it. He fell badly and broke his arm, but managed to save the vase.

“What is the greater sacrifice: to watch the vase smash, or break one’s arm in order to save it?” asked the master.

“I do not know,” said the prince.

“Then how can you guide your choice for sacrifice? The true path is chosen by our ability to love it, not to suffer for it.”

Welcome to Share with Friends – Free Texts for a Free Internet

De la utilidad


Illustration by Ken Crane

Jean paseaba con su abuelo por una plaza de Parí­s.
A determinada altura, vieron a un zapatero siendo maltratado por un cliente, cuyo calzado presentaba un defecto.
El zapatero escuchó calmadamente el reclamo, pidió disculpas y prometió arreglar el error.

Pararon a tomar un café en un bistró.
En la mesa de al lado, el mozo le pidió a un hombre, con apariencia de importante, moviese un poco la silla, para abrir espacio.
El hombre irrumpió con un torrente de quejas, y se negó.

“¡Nunca olvides lo que viste!”, dijo el abuelo. “El zapatero aceptó un reclamo, mientras que este hombre a nuestro lado no quiso moverse. Los hombres útiles, se preocupan con criticas.

“Pero los inútiles siempre se juzgan importantes, y esconden toda su incompetencia detrás de la autoridad”.

A verdadeira importí¢ncia


Illustration by Ken Crane

Jean passeava com seu aví´ por uma praí§a de Paris.
A determinada altura viu um sapateiro sendo destratado por um cliente, cujo calí§ado apresentava um defeito.
O sapateiro escutou calmamente a reclamaí§í£o, pediu desculpas, e prometeu refazer o erro.

Pararam para tomar um café num bistrí´.
Na mesa ao lado, o garí§om pediu a um homem que movesse um pouco a cadeira, para abrir espaí§o.
O homem irrompeu numa torrente de reclamaí§íµes, e negou-se.

“Nunca esqueí§a o que viu”, disse o aví´ para Jean.
“O sapateiro aceitou uma reclamaí§í£o, enquanto este homem a nosso lado ní£o quis mover-se.

“Os homens úteis, quando recebem crí­ticas, ní£o se incomodam. Mas os inúteis sempre se julgam importantes, e escondem toda a sua incompetíªncia atrás da autoridade.”

Wikileaks WikiRebels

taken from Keithpp’s Blog

From summer 2010 until now, Swedish Television has been following the secretive media network WikiLeaks and its enigmatic Editor-in-Chief Julian Assange.

Reporters Jesper Huor and Bosse Lindquist have traveled to key countries where WikiLeaks operates, interviewing top members, such as Assange, new Spokesperson Kristinn Hrafnsson, as well as people like Daniel Domscheit-Berg who now is starting his own version – Openleaks.org!

Where is the secretive organization heading? Stronger than ever, or broken by the US? Who is Assange: champion of freedom, spy or rapist? What are his objectives? What are the consequences for the internet?

Click here to watch Exclusive rough-cut of first in-depth documentary on WikiLeaks and the people behind it

Character of the week: Saint-Exupéry


A single event can awaken within us a stranger totally unknown to us. To live is to be slowly born.
Each man must look to himself to teach him the meaning of life. It is not something discovered: it is something molded.

A chief is a man who assumes responsibility. He says “I was beaten,” he does not say “My men were beaten”.
If you want to build a ship, don’t drum up people to collect wood and don’t assign them tasks and work, but rather teach them to long for the endless immensity of the sea.

A civilization is built on what is required of men, not on that which is provided for them.

Loving is not just looking at each other, it’s looking in the same direction.

‘Men have forgotten this truth,’ said the fox. ‘But you must not forget it. You become responsible, forever, for what you have tamed.’
And now here is my secret, a very simple secret; it is only with the heart that one can see rightly, what is essential is invisible to the eye.

A designer knows he has achieved perfection not when there is nothing left to add, but when there is nothing left to take away.
A rock pile ceases to be a rock pile the moment a single man contemplates it, bearing within him the image of a cathedral.

Night, the beloved. Night, when words fade and things come alive. When the destructive analysis of day is done, and all that is truly important becomes whole and sound again. When man reassembles his fragmentary self and grows with the calm of a tree.

Once men are caught up in an event, they cease to be afraid. Only the unknown frightens men.

The notion of looking on at life has always been hateful to me. What am I if I am not a participant? In order to be, I must participate.

For true love is inexhaustible; the more you give, the more you have. And if you go to draw at the true fountainhead, the more water you draw, the more abundant is its flow.

Grown-ups never understand anything for themselves, and it is tiresome for children to be always and forever explaining things to them.

I know but one freedom, and that is the freedom of the mind.

The time for action is now. It’s never too late to do something.

Antoine de Saint-Exupéry(29 June 1900 – 31 July 1944) was a French writer and aviator. He is best remembered for his novella The Little Prince (Le Petit Prince) and for his books about aviation adventures, including Night Flight and Wind, Sand and Stars.

Flash Mob 13/Nov/2010

This is OUR WORLD. People from different ages, bringing joy to other people.
May this be an example to all of us – the day will come that we can do the same in a larger scale.
Let’s keep our hope alive, let’s be able to work together
Season Greetings
_________________________

Esse é o NOSSO MUNDO. Pessoas de todas as idades se juntam, apenas pelo prazer de levar alegria a outros.
Que sirvam de exemplo a todos nós – um dia poderemos fazer isso em grande escala.
Vamos manter nossa esperaní§a viva, vamos trabalhar juntos
Boas Festas a todos

Palavras ao vento

Eu estava me sentindo muito só quando saí­ de uma missa na Catedral de Saint Patrick, em plena New York.

De repente, fui abordado por uma americana:

– Preciso muito falar com vocíª – disse.

Fiquei tí£o entusiasmado com o encontro, que comecei a contar tudo que achava importante para mim. Falei de magia, falei de bíªní§í£os de Deus, falei de amor.
Ela escutou tudo em silíªncio, me agradeceu, e foi embora.

Ao invés de alegria, eu me senti mais só do que antes. Mais tarde fui me dar conta; no meu entusiasmo, ní£o tinha dado atení§í£o ao pedido daquela mulher:

Falar comigo.

Atirei minhas palavras ao vento, porque ní£o era isto que o Universo estava querendo naquela hora: eu teria sido muito mais útil se escutasse o que ela queria dizer.

Natal digital/ Digital Christmas

ENGLISH

======================================

PORTUGUES

There is only one thing lacking: a blog!!!