Archives for June 2010

Coincidence…

A week ago I posted here the prologue of “The Alchemist” as my 20 SEC READ (ENG, PORT, ESPA) , Narcissus and the Lake

Yesterday, SeaLion, now working on the graphic novel of the book, sent me the first pages. And what did I see? The same story. Below you find the first draft and the final page.
The graphic novel will be released in September in US, and eventually world wide (I really don’t know the schedule)

Gracias, guerrera


Geneve, 29 junho 2010, foto de Maria Zepeda

“Todo guerrero de la luz ya tuvo alguna vez miedo de entrar en combate.

Todo guerrero de la luz ya recorrió un camino que no le pertenecí­a.

Todo guerrero de la luz ya sufrió por cosas sin importancia.

Todo guerrero de la luz ya creyó que no era un guerrero de la luz.

Todo guerrero de la luz ya dijo sí­ cuando querí­a decir no.

Por eso es un guerrero de la luz; porque pasó por todo eso y no perdió la esperanza de ser mejor de lo que era.”

Obrigado Maria Zepeda pela companhia (te gusta que te llame asi, verdad?) ,
obrigado aos fí£s de Anahi (que trabalharam para esse encontro),
mas sobretudo obrigado a essa linda alma, nossa querida Anahi, que sempre seguirá como uma verdadeira guerreira da luz, “aceptando al ayuda de Dios y de las Señales de Dios, dejando que su Leyenda Personal la guí­e en dirección a las tareas que la vida le reserva”

“O Aleph”: processo criativo

Pela primeira vez em minha vida, fui escrevendo um livro e fazendo updates do Twitter. Procurava dividir minhas sensaí§íµes, me distraia um pouco entre um capí­tulo e outro, relaxava quando era necessário.

Somerset Maugham dizia: “ní£o escrevemos porque desejamos. Escrevemos porque precisamos”. E esse é meu caso. Apesar de todos os tí­tulos publicados, apesar do fato de que podia ter parado há muito tempo, a cada dois anos sinto a necessidade de dividir o que tenho vivido.

Durante a saí­da do livro (27 de julho), estarei em uma missí£o humanitária, voltando apenas no dia 4 de agosto. Portanto, como qualquer entrevista será dada apenas depois desta data, resolvi conversar com meus leitores antes da publicaí§í£o.

Neste primeiro de tres encontros, vamos falar um pouco do que senti enquanto escrevia este livro. Ní£o irei explicar “O Aleph”, mas as sensaí§íµes pessoais ao desbravar minha alma. Por favor, coloquem suas perguntas. Vou selecionar um total de dez, e responderei assim que puder – se possí­vel, até o final de 30/junho.

Se estiverem interessados em um bom resumo, a Folha Online publicou >>> “Peregrinaí§í£o por tres continentes”

Se estiverem interessados em ler o primeiro capí­tulo, aqui esta o link >>> Primeiro Capitulo “O Aleph”


TIVEMOS MAIS DE 100 PERGUNTAS, RESPONDI AS QUE RECEBI PRIMEIRO. PARA VER AS PERGUNTAS/RESPOSTAS, CLICAR EM COMMENTS

Abraí§os

Paulo

The anti-love song…

I’m not in love, so don’t forget it
It’s just a silly phase I’m going through
And just because I call you up
Don’t get me wrong, don’t think you’ve got it made
I’m not in love, no-no
I like to see you, but then again
That doesn’t mean you mean that much to me
So if I call you, don’t make a fuss
Don’t tell your friends about the two of us
I’m not in love, no-no

I keep your picture upon the wall
It hides a nasty stain that’s lyin’ there
So don’t you ask me to give it back
I know you know it doesn’t mean that much to me
I’m not in love, no-no

Ooh, you’ll wait a long time for me
Ooh, you’ll wait a long time

I’m not in love, so don’t forget it
It’s just a silly phase I’m going through
And just because I call you up
Don’t get me wrong, don’t think you’ve got it made, ooh

I’m not in love, I’m not in love…

Conversas

Aqui podem ver em primeirí­ssima mí£o a capa de “O Aleph”, meu novo livro, que será laní§ado no dia 27 de julho no Brasil.
Conforme sugerido por vocíªs no post >> AQUI
vamos bater um papo antes do laní§amento. Melhor dizendo, conversaremos tres vezes, e eu responderei aqui as perguntas sobre:

a] o processo criativo
b] as armadilhas da busca espiritual
c] vidas passadas: até que ponto podem influenciar o presente

Avisarei através do Twitter e Facebook quando teremos as conversas

O Aleph

Pouco antes de um livro meu ser publicado, geralmente escrevo muitas páginas a respeito daquilo que senti enquanto o escrevia. “O Aleph” sai no Brasil dia 27 de julho 2010. Abaixo algumas perguntas que fiz a mim mesmo durante esta semana:

1) Em O Aleph, vocíª menciona que em 2006 estava passando por um momento de questionamento de sua fé. O que desencadeou esta crise?
A fé ní£o é algo estático, mas uma dinamica constante. Um famoso mí­stico alemí£o já disse que muitas vezes ele estava com muita fé antes de atravessar uma rua, e quando chegava na outra calí§ada toda a sua devoí§ao havia desaparecido. Portanto, eu nao chamaria isso de crise, mas de um comportamento normal, com altos e baixos. Uma fé que se cristaliza perde o seu sentido e se transforma em fanatismo. A fé cresce quando é alimentada pela dúvida e pelos questionamentos interiores. Deus é verbo, Deus é aí§í£o – e nosso contato com ele, que chamamos de “fé” tambem faz parte desta aí§ao. Ou seja: minha busca espiritual passa por um questionamento diário, e é isso que a faz mais forte, mesmo que em determinados momentos – como em 2006 – este periodo estivesse se prolongando por muito tempo.

2) Em determinado momento, vocíª chega a dizer que ní£o se sentia mais perto de Deus. Como vocíª se sente hoje em relaí§í£o a isso?
O fato de nao me sentir perto de Deus em determinados momentos, jamais significou que Ele ní£o estava ao meu lado todo o tempo. Era apenas uma questí£o de reconhecer isso – algo que nunca duvidei. Ou seja, o ser humano, com suas limitaí§íµes, cria suas fantasias, mas a alma deste mesmo ser humano diz:”está bem, curta seu momento de fraqueza, mas voce sabe que é uma bobagem – Deus jamais lhe abandonou e jamais lhe abandonará”. Com o passar do tempo, essa realidade se impíµe.

3) No comeí§o da carreira, tí­tulos como O diário de um mago e O alquimista mostravam bastante seu fascí­nio pela busca espiritual. Em O Aleph, vocíª chegou a pensar que “livros sagrados, revelaí§íµes, manuais e cerimí´nias” podiam parecer coisas absurdas, e sem efeitos duradouros. Vocíª ní£o teve medo de expor esses seus questionamentos?
Desde “O Diario de um mago” e da peregrinaí§ao a Santiago de Compostela eu tive a revelaí§ao mais importante da minha vida: o mágico estí  í  nossa volta. Em 1986 eu vinha de quase 20 anos acreditando nos “segredos, revelaí§oes”, etc. e foi só aó que entendi que tudo que estava oculto está revelado. Dediquei í– Diario de um mago ao meu guia, com as seguintes palavras: “Quando comeí§amos a peregrinaí§í£o, eu achei que havia realizado um dos maiores sonhos da minha juventude. Mas vocíª resistiu bravamente a todas as minhas tentativas de transformá-lo em herói. Isto tornou muito difí­cil nosso relacionamento, até que entendi que o Extraordinário reside no Caminho das Pessoas Comuns. Hoje em dia, esta compreensí£o é o que possuo de mais precioso na minha vida.”

4) A Transiberiana seria parte de sua terceira peregrinaí§í£o. De que maneira ela se assemelha ao Caminho de Santiago de Compostela?

a] O Caminho de Santiago era um movimento importante no espaí§o fí­sico: eu partia do ponto A, chegava no ponto B, e durante esta viagem encontrava e absorvia tudo que estava diante de mim.
b] O Caminho de Roma (1989) foi uma peregrinaí§ao no tempo: precisei ficar 70 dias no mesmo lugar (neste caso Lourdes, na Franí§a), e embora as coisas nao “acontecessem” como em uma viagem normal, o fato de nao poder mover-me além de certos limites obrigou minha alma a ver as mesmas coisas de maneira diferente.
c] Finalmente, o Caminho de Jerusalem ( que incluiu a Transiberiana, onde procurei sintetizar toda a experiencia ali adquirida) fez com que eu me movesse ní£o apenas no espaí§o fí­sico mas tambem no tempo (trazendo o passado ao presente, e levando o presente ao passado) . Nunca imaginei que conseguiria escrever a respeito, mas depois de quatro anos amadurecendo a idéia, o momento chegou.

5) O Aleph é um retorno ao livro em primeira pessoa. Quais as diferení§as entre escrever ficí§í£o e ní£o-ficí§í£o.

É muito mais difí­cil escrever ní£o-ficí§í£o, porque o autor ní£o tem outra escolha a ní£o ser expor publicamente sua alma. Isso nem sempre é agradável, mas é necessário. Como dizia Jesus, “a verdade vos libertará”.

7) Hilal (personagem feminina central no livro) foi seu amor em uma vida passada, mas ela o descreve como seu amor nesta vida. Como vocíª lidou com isso?

Eu estou casado há 30 anos com a mesma mulher, e isso me dá muito mais tranquilidade para enfrentar este tipo de situaí§í£o. Tambem conta o fator “idade”: o amor exige sobretudo uma relaí§í£o apaixonada e madura, que tenho hoje em dia com Christina. Hilal, quando a conheci, tinha 21 anos (embora parecesse mais velha). Conversamos recentemente por email: ela pressentiu que eu estava escrevendo sobre nossa experiencia, e voltamos a ter contato. Ní£o perguntei sobre sua vida afetiva, mas tenho certeza que é uma questí£o de tempo até que encontre a pessoa que Deus colocou em sua vida.

Cala Boca Galvao

…So all day on Friday, Brazilians were posting the shut-up comment. Inevitably, others asked what the words meant. That was when the real mischief began. At 2 a.m. on Saturday, a Brazilian wrote in English that it was a bird. (In fact, the Portuguese word for hawk, “gavií£o,” is close to Galví£o.) An online petition to save the bird was published; a flier was circulated promising 10-cent donations for each post. The Brazilian author Paulo Coelho wrote on Twitter: “CALA BOCA GALVíƒO is the Brazilian version of a homeopathic remedy SILENTIUM GALVANUS.”

By dawn Saturday, Fernando Motolese, a comedian and audiovisual producer in Sí£o Paolo, Brazil, had started work on his one-minute video. He recruited a British actor, Stewart Clapp, to do the voice-over. “It took about 32 hours to make, without sleep,” Mr. Motolese said by phone on Tuesday. The video rallies support for a Brazilian scientist who has devised a special birdhouse to protect the few remaining Galví£os.

The video, posted Sunday night on a Brazilian humor blog and also YouTube, has been viewed a half-million times. By Tuesday evening, “Cala Boca Galví£o” remained the leading Twitter subject in the world.

TO READ THE FULL ARTICLE IN NY TIMES CLICK HERE

Lady Gaga & Silentium Galvanus

SILENTIUM GALVANUS ( CALA BOCA GALVAO) is a homeopathic remedy produced by Airton Krauniski Labs in Brasil. Normally used during the World Cup to avoid apoplexy duing a match. There are some rumours in Twitter that someone gave an overdosis to Lady Gaga, who now is considering recording a new single, “Cala Boca Galvao”, currently #1 in the TT
Disclaimer: we Brazilians are very creative

SILENTIUM GALVANUS é um remédio homeopático produzido nos laboratorios Airton Krauniski, e usado durante as Copas do Mundo para evitar apoplexia durante um jogo. Corre um rumor no Twitter que alguém deu uma overdose a Lady Gaga, que agora considera gravar um novo single, “Cala Boca Galví£o”, atualmente #1 nos TT

Blog: changing the server

As you probably noticed here, we are having more and more visits to this space. The blog has now over 600.000 unique visitors a month, compared with 240.000 in June 2009.
Although I am very satisfied with our current hosting ( this blog was offline only twice in the past 3 months, and the problem was quickly solved), I decided to host it in Brasil for one simple reason: we work in the same time zone.

Today we will start all the necessary steps to transfer the IP. Tomorrow I am traveling to Munich for DLD (Digital Life Design) and Suphi will take care of the changes, together with Henrique and Dennis.

How does this changes affect the blog?
a) for a period of time after the initial procedures, that may last for four days, I will have two addresses. So many comments may be lost, as they may be randomly posted in Brasil or in US
b) they need to run several tests to be 99,999% sure that everything will work fine.
c) during this period, I can’t update the blog until all the computers in the world recognize the Brazilian IP. (Don’t ask me why!)

Too complicated? It is also too complicated for me, but it is how things work.
So, to cut a long story short, we will have this blog fully operational again by Friday (I HOPE!).

During the final step, Suphi will close all comments for 24 to 48 hrs, so your opinions will not be lost. When you see the comments open again, that means that we are fully operational.

Thanks for your support and understanding